Umumbigo


ouve
Dezembro 3, 2009, 11:26 pm
Filed under: de ler | Etiquetas: ,

O recado das ondas

«Mais nenhuma vida poderia ser vida sem esse cigarro a ver nascer e crescer a praia com mulheres e crianças felizes como tentilhões»

“Ouve, eu não queria começar o texto como um recado. Os recados são para os poetas que não sabem fazer compras e, assim, colocam papéis em todos os lugares à procura de quem lhes dê alimento. Pão, água, álcool, luz e umas palavras para adoçar a boca. Esses poetas são magros, serão sempre magros. Assalta-nos um nome óbvio para exemplificar. Não é preciso dizê-lo, pois não? Isto não é um recado, mas era importante, hoje, que me lesses, nalgum café com rede, nalguma casinhola de nadador-salvador ou pescador com rede, nalguma berma de estrada, à socapa, num alpendre com rede. Este entrelaçado de dias tem nós de sol e os peixes vêm até nós capazes de respirar. Chegámos, finalmente, à canícula, tal qual a escreveu Duras, embora se possa ainda namorar. O calor não faz tantas ondas ainda como, suponho, o mar daí ou os caracóis loiros da menina bebé que dorme, de cabeça tombada nos sonhos, nos braços do pai que embala as tempestades, tal qual as não escreveu Cesário ao chegar à lota das peixeiras pobres de Lisboa, a vê-las encher de filhos as cestas de vime que carregam na cabeça por tuta-e-meia. Hoje há quem viva do mar e ainda passe fome. Basta que passemos pelas aldeias piscatórias. Mas se arregaçam as calças e se deixam molhar pelas águas, se arrastam o barco pelas fendas da areia para mais uma faina, se o sol lhes rebenta o rosto de rugas e de musculadas lágrimas, o sal conserva-lhe todo esse amor no corpo. Não se podem afastar dali, nunca poderão. Mais nenhuma vida poderia ser vida sem esse cigarro a ver nascer e crescer a praia com mulheres e crianças felizes como tentilhões, berbigões, mexilhões num balde acabado de apanhar a bambolear nas mãos. Estarás a ouvir-me? Eu preciso de ouvir o mar pelo búzio deste texto. Estou longe de tudo. Tu, tu tens o mar, eu sei, mas poderias encostar o ouvido aqui, a este recado em ondas contínuas, que escrevi em todos os toldos ondulando nas sombras mais perfeitas do dizer.”

Ana Salomé

in Rascunho.net

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: