Umumbigo


alface
Abril 7, 2014, 3:56 pm
Filed under: nostalgias

CXXIX

Uma alface fresca era algo que a deixava sempre feliz. Parece simples, é só uma alface, uma alface fresca, verde e possivelmente ainda com gotas de orvalho, parece simples mas Lucília via nela a felicidade em potência. Fora plantada, crescera, e agora casaria com tomates maduros no seu prato. Com sorte, entre as folhas acenaria uma ou outra azeitona muito pequena e muito preta.

Nesse ano, as alfaces cresceram comidas por bicho. Lucília indignou-se muito: podiam os bichos roubar-lhe assim a alegria de colher o que era seu? Se podiam, podia ela também roubar a alegria dos bichos ao comerem alfaces frescas. Arrancou-as a todas, com fúria, e nessa noite havia apenas no prato um tomate às rodelas e duas azeitonas muito pequenas e muito pretas. Havia outra novidade: à sua frente, Lito estava mudo, muito grande, prestes a explodir na sua afirmação calada.

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: