Umumbigo


apaixonar
Maio 25, 2014, 11:56 pm
Filed under: nostalgias

CLXXIX

Só sabia apaixonar-se pela inteligência, o que suscitava uma ruína emocional. Por um lado, porque não existiam muitos candidatos inteligentes na vila; por outro lado, porque Luísa insistia em alimentar o drama de não se conseguir apaixonar. Queria um sopro menino a girar e nada. Rigorosamente nada. Queria ficar sem sono ou fome mas seguia dormindo e comendo numa rotina muito tranquila, sem sobressaltos. Sem emoções. E quando quase se apaixonava virava logo costas para se queixar às amigas, se não me apaixono nunca, nunca, nunca, que mal tenho eu. Mas se estava mesmo ali, mas se não era aquele, não era, não era mesmo? perguntavam-lhe. Sei lá.

Então decidiu estudar com rigor quem acreditava saber apaixonar-se para daí levar alguma lição, alguma lição que pequenina que fosse seria um grande salto face ao cenário atual: o de ruína emocional. Escolheu Lucília para saber como amava Lito e tentar sair então dos escombros em que se afundava. Sabia lá que o amor não sobe apenas em flecha mas desce também ao fundo da terra.

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: