Umumbigo


volto já
Janeiro 27, 2015, 11:42 pm
Filed under: poesia

O poema me levará no tempo

Quando eu já não for eu

Talvez uma nuvem disforme

Toda branca e fúria

Ou outra coisa qualquer

Ponho o dedo no mel

Mas eu já não sou eu

Quando finalmente é noite alta

E há um vulto no jardim

Posso ser este quarto

minguante

Envolto em ciprestes

Altos e esguios de medo

Mais do que a noite e tu

Ou o próprio poema

Talvez um gato a lamber flores

A caçar grilos e luares gordos

E eu que só encontro raízes, cicatrizes

Máquinas de costura velhas

Cosendo pontos absurdos e crus

Devia haver janelas

Devia haver qualquer outra coisa

Mas eu não lavei o sono dos olhos

Esqueci-me de acordar

Possa talvez ir à mercearia

Comprar meio quilo de tempo

Espera um pouco,

Poema

Volto já e trago mel.

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

Espectacular!!Adorei!

Comentar por Liliana Silva




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: