Umumbigo


and he kissed you
Julho 29, 2015, 3:16 pm
Filed under: música | Etiquetas:



manifesto
Julho 24, 2015, 2:13 pm
Filed under: poesia

tudo menos a mansidão

antes tempestades de areia

antes um vulcão em erupção



não soube ser poema
Julho 24, 2015, 2:06 pm
Filed under: poesia

embirrei com o primeiro verso

e por não lhe perdoar a luta

termino aqui.



luz
Julho 24, 2015, 1:58 pm
Filed under: citações, de ler

“Uma mulher quando dá à luz gera um filho, e um filho, ao nascer, gera uma mãe. A vida é uma máquina que funciona para todos os lados.”

Mar, Afonso Cruz



Berlim
Julho 22, 2015, 9:59 am
Filed under: poesia | Etiquetas:

Vi um muro que caiu e hoje ninguém o pode erguer

como a música que depois de entrar nos poros

não volta à superfície da pele, não volta

isso é contra qualquer lei que nos faz ser,

foi assim com o assobio em Tiergarten

antes do silêncio e do medo calcado pelos nossos pés doridos

granito dourado que fala de deportações e holocausto

e isto é a morte que se ri da dor de alguém igual

como iguais os que nadam agora na fonte pública

caminham na avenida sob as tílias até à porta da cidade

navegam na ilha dos museus e o que há mais

lambem as mãos do kebab, a língua não chega às bochechas

têm ressaca de cerveja e ânsia por chegar ao êxtase

têm filhos pequeninos muito bonitos, luzes azuis nos olhos

a crescer mais do que a torre de radiodifusão de sinal

grafitam liberdade contra o esquecimento que nunca se esquece de vir

têm empregos e pagam contas e dizem bom dia, até amanhã

ou nada disto mas só calor e fome,

e depois há as tatuagens a seduzirem-nos

qual é a tua?

marcam encontros na alternativa e rebelde Berlim

Berlim agitada e vanguardista

onde voam no metro tantos cabelos cor do mar que aqui não rebenta

cabelos soltos ou apanhados como as pessoas são precisamente

soltas ou apanhadas num nó impossível de desfazer.



dia 1
Julho 21, 2015, 4:20 pm
Filed under: poesia | Etiquetas:

Quando crescer

talvez tornar-me vagabunda.



Porto
Julho 20, 2015, 11:25 pm
Filed under: poesia | Etiquetas:

Sou uma flecha

Porto o arco que me lança para todo o lado

o maior lugar de todos é esse

não tem nome próprio nem peso calculado

é só um lugar em suspensão

na terra na água no ar no fogo

é só todo o lado.