Umumbigo


O mar transforma
Dezembro 20, 2015, 4:04 pm
Filed under: crónica

Queria escrever sobre uma frase que nos diz que o mar transforma quem o vê. Não sendo exatamente assim, esta é a ideia principal. Tento chegar ao rigor de quem a disse e quando. Ao mesmo tempo que vou pesquisando, começo a duvidar da existência da frase. Mas não posso duvidar, estou certa de que já a ouvi ou li algures. É uma frase fundamental.

Porque procuro uma coisa precisa, acabo por encontrar o que está ao seu lado – esta é a regra dos dias. Começo então a colecionar pensamentos sobre o mar. Sophia de Mello Breyner brilha acima de tudo: “De todos os cantos do mundo/ Amo com um amor mais forte e mais profundo/ Aquela praia extasiada e nua,/ Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.”

Tenho dificuldade em imaginar como será não saber o que é o mar, nunca o ter visto ou sentido. Não ter qualquer sal na alma até ao fim dos dias. Lembro a ideia de Charles Baudelaire: “Homem livre, tu sempre gostarás do mar.” Claro que todas as pessoas deveriam ter o direito de experimentar pelo menos uma vez a maresia na pele. E de questionar olhando de frente a extensão até à linha do horizonte: onde é o teu fim?

Sorrio constatando que Espinho tem a vista mais privilegiada de todas. Olha todos os dias o mar e sabe de todas as alegrias e sofrimentos que trazem as marés. Tem no rosto as rugas da amplidão azul. Volta todos os dias à praia e só pode ser desta forma – seja para pescar, mergulhar, surfar ou simplesmente ver a força da rebentação.

Escreveu-se tanto sobre os seus mistérios. “Da minha língua vê-se o mar”, delineou Vergílio Ferreira a espinha dorsal de Portugal. Só Sophia poderia ter feito nascer os versos: “Quando eu morrer voltarei para buscar/ os instantes que não vivi junto do mar.” Fernando Pessoa sabia que “Deus ao mar o perigo e o abismo deu,/ Mas nele é que espelhou o céu.” Eugénio de Andrade partilhou a nossa ignorância perante a vastidão de água ao confessar “Eu também não sei o que é o mar”.

E finalmente descubro que foi Afonso Cruz quem escreveu: “É, na nossa vida, completamente desnecessário ter qualquer proximidade com o mar, mas a sua simples visão provoca alterações profundas na alma.”

Era esta a frase que procurava e fico feliz por a ela ter chegado no meio de incontáveis palavras. Mas logo sei que o mar não vive de citações. Talvez se alimente da profunda canção enigmática da voz das ondas que muda para sempre quem a ouve. Talvez cresça sempre que olhamos a imensidão azul com fascínio nada sabendo da sua profundeza. Talvez baste ser o mar e isto é tudo.

in Defesa de Espinho, 10 de dezembro de 2015

Anúncios

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: