Umumbigo


mansidão
Outubro 3, 2016, 7:52 am
Filed under: poesia

O pinheiro manso não é manso

olha como cresce violento e feroz

agitando as agulhas desassossegadas

quase feras atiradas ao chão

águias agressivas voando perto

dominando o ar, cortando o ar

com velocidade ameaçadora.

 

O pinheiro manso não é manso

luta contra o silvo do vento

com ramos de ferro inquebrável.

E nas noites de lua nova

quando tudo está às escuras

a pópria sombra grita

a plenos plumões: sou bravo.

 

O pinheiro manso tem palavras mudas

mas olhos sempre muito abertos

na floresta densa onde cresce.

Ontem era só um rasgar da terra

hoje sobe dia após dia após dia, vê

– não pode nunca ser manso

aquele que ousa tocar as nuvens.

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

Adorei!

Comentar por Daniela




Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: